Cart

Coluna – Terra Incógnita│Kafka no Espeto

por Daniel Osiecki

 

Amanhã vai ser outro dia…

 

Não é novidade para os leitores e leitoras desta coluna que os dois pseudo-ministros que assumiram a pasta da educação este ano (primeiro Ricardo Vélez Rodriguez e depois Abraham Weintraub) são temas de minha predileção, mesmo contra minha vontade.

Como esta coluna é mensal, sempre ao terminar o texto do mês, automaticamente passo a pensar no próximo tema e desejo realmente voltar às resenhas literárias, mas a trupe mambembe que assumiu o comando do país não me dá trégua. Fico pensando frequentemente que será impossível o Sr. Weintraub ou o Sr. Olavo de Carvalho se superarem, mas sempre se superam. O mesmo acontece com o capitão do mato, o recruta zero e seus zeros à esquerda.

Abraham Weintraub falou na Comissão de Educação do Senado no dia 7 de maio deste ano, e foi lá que confundiu o escritor tcheco com o espetinho árabe.  Weintraub, ex-aluno do youtuber idoso Olavo de Carvalho, disse que sofreu um “processo inquisitorial e sigiloso”: “Que eu saiba só a Gestapo (polícia nazista de Hitler) fazia isto. Ou no livro do Kafta ou na Gestapo”.

Na mesma ocasião o ministro disse que poderia ter entrado na USP aos 14 anos de idade e que é mais inteligente do que os últimos 15 ministros que assumiram a pasta.

O nobre leitor e a nobre leitora podem estar pensando que o fato de o ministro nunca ter lido Kafka e confundi-lo com o prato árabe é irrelevante; sim, realmente é irrelevante, mas esses pequenos deslizes da ala mais lisérgica do governo (pasmem, não são dos milicos), representam um conjunto de pensamento que visa duas coisas básicas: a) desmonte da educação pública; b) antiintelectualismo. Naturalmente que ambas as situações dialogam e uma só existe através da outra. Os cortes do governo vão da Educação Básica à Pós-Graduação. Vamos a alguns números preocupantes:

Educação Básica – 39,68% de recursos bloqueados

Universidades Federais – 25,38% de recursos bloqueados

Institutos Federais – 34,54% de recursos bloqueados

Hospitais Universitários – 12,8% de recursos bloqueados

Fies – 8,6% de recursos bloqueados

Capes – 20,9% de recursos bloqueados

Total – 13,4% de recursos bloqueados (Fonte: Andifes)

O que resta a nós professores, artistas, educadores, intelectuais é continuar fazendo oposição, é continuar resistindo, indo pra rua. Os movimentos do dia 15 de maio foram lindos. Aqui em Curitiba, terra da caretice e da breguice representada por Moro, Dallagnol e seus asseclas, a chuva e o frio não espantaram em momento algum os quase 8 mil manifestantes (incluindo este colunista).

Já encerrei esta coluna, certa vez, com os versos de Belchior, “Por isso cuidado, meu bem, há perigo na esquina. Eles venceram, e o sinal está fechado pra nós, que somos jovens”… Hoje encerro com os versos do Chico:

Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros. Juro!
Todo esse amor reprimido
Esse grito contido
Esse samba no escuro.

Você que inventou a tristeza
Ora tenha a fineza
De “desinventar”
Você vai pagar, e é dobrado
Cada lágrima”…

 

P.S. Parabéns ao grande Chico Buarque pelo Prêmio Camões 2019 pelo conjunto da obra. Certamente o júri do prêmio é comunista e mama nas tetas da Lei Rouanet!

 

*Daniel Osiecki nasceu em Curitiba, em 1983. É professor de literatura, crítico literário e editor regional da Revista Flaubert. Publicou o livro de contos “Abismo” (2009). “Sob o signo da noite” (contos) é seu segundo livro. Mantém o blog “Távola Redonda” (www.novatavolaredonda.blogspot.com), organizador do coletivo “Vespeiro”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...
Mande um recado pra nós.