Search

A menina que queria morrer

A menina que queria morrer, de Rachel Juraski, é uma corajosa autoficção que mergulha nas profundezas da mente de Regina, mulher que enfrenta desafios intensos com sua saúde mental. A narrativa é um retrato brutal e honesto das batalhas da personagem contra a depressão e os pensamentos suicidas, oferecendo uma perspectiva visceral sobre as lutas que muitas pessoas enfrentam em silêncio.

Infância e primeiros sinais

Regina cresceu em um ambiente familiar tumultuado, onde o controle excessivo de seu pai alcoólatra e a falta de suporte emocional de sua mãe marcaram profundamente sua infância. Desde muito cedo, a personagem já lidava com pensamentos suicidas, tentando, sem sucesso, sufocar-se em diversas ocasiões. Esses primeiros sinais de sofrimento mental revelam a gravidade e a persistência de sua condição, refletindo um quadro que só se intensificaria com o passar dos anos.

Adolescência e tentativas de suicídio

Durante a adolescência, Regina continuou a enfrentar os demônios de sua mente. A pressão para ser uma aluna exemplar, combinada com a falta de apoio emocional em casa, agravou sua depressão. As tentativas de suicídio se tornaram mais frequentes, e as cicatrizes físicas de suas tentativas falhadas são testemunhos silenciosos de suas lutas internas e da desesperança que permeava sua vida.

Vida adulta e terapia

Na vida adulta, Regina continuou a lutar contra sua saúde mental e acaba atropelada por acontecimentos graves, como quando rememora e comenta dois estupros que sofreu. Tentativas de suicídio mais graves ocorreram, incluindo a ingestão de medicamentos e tentativas de pular de grandes alturas. A relação de Regina com seus terapeutas e psiquiatras é um ponto central do livro, destacando as dificuldades de encontrar tratamentos eficazes e o impacto das crises de mania e depressão na sua vida cotidiana. Essas interações são descritas com uma clareza brutal, oferecendo uma visão honesta dos desafios enfrentados por aqueles que vivem com transtornos mentais.

Reflexões sobre a morte

Regina não evita discutir suas fantasias suicidas e o planejamento meticuloso de sua própria morte. Ela descreve com clareza suas considerações sobre métodos de suicídio, revelando a profundidade de seu sofrimento. São passagens dolorosas, mas fundamentais para entender a extensão de sua dor e a complexidade de sua condição mental.

Superação e esperança

Apesar do tema sombrio, o livro não é desprovido de esperança. Regina reconhece momentos de alívio e melhora, especialmente na companhia de amigos e de seus animais de estimação. São lembretes de que, mesmo nas trevas mais profundas, existem faíscas de luz que podem trazer algum conforto e motivação para continuar lutando.

Conclusão

A menina que queria morrer é um relato cru e honesto sobre a vida de Regina, uma mulher que enfrenta desafios intensos com sua saúde mental. Rachel Juraski oferece uma visão não filtrada das experiências da personagem, convidando os leitores a entenderem melhor as complexidades da saúde mental. Serve como um importante lembrete da necessidade de compaixão e compreensão para aqueles que enfrentam essas lutas invisíveis.

Pré-venda
(Previsão: primeira quinzena de agosto)
A menina que queria morrer, de Rachel Juraski
16×23
112 págs.
ISBN: 978-65-5361-295-2

R$ 49,70 R$ 24,85

Consulte o frete e o prazo de entrega:

Rachel Juraski tem 41 anos, é redatora publicitária e convive com o diagnóstico de problemas mentais desde os 29 anos. Em seu livro de estreia, aborda temas angustiantes e tabus como suicídio, automutilação, abusos físicos e psicológicos numa obra de ficção recheada de narrativas autobiográficas. A autora descortina as idiossincrasias de viver com uma doença que as pessoas fingem não ver, que certamente não entendem e raramente se compadecem. Você já pensou em se matar?