Cart

Sem Pagar Passagem: Poesia Reunida – Reinoldo Atem

5.00 out of 5 based on 1 customer rating
1 classificação Adicione sua classificação
Disponibilidade: Em estoque

R$ 134,70 R$ 94,29

wws Suporte / Perguntas de pré-venda Preciso de ajuda? Fale conosco via WhatsApp
Quantidade :

Reinoldo Atem avançou no entendimento da poiesis recuando ao princípio de todas as abstrações: o Alumbramento, A estranheza de sentido, A nomeação das coisas. Porque, nos parece, poética é um gênio, um feitiço, uma capacidade de intuir os símiles, de estranhar as conexões, marcar algumas diferenças, algemando sentimentos e dúvida fundas. Fazemos a perquirição a respeito do sentido do que é, da conformação desse sentido, do que nos envolve, e então tudo se atropela, anunciando-se em versos ou em sentenças novos significados para repor o mundo sob nossa perplexidade. Pode até que isso diga alguma coisa do poeta Reinoldo, mas nada seria tão incaracterístico, numa generalidade que alcança a maioria dos poetas. Todavia, como disse Severino, o personagem poético de J. C. de Mello Neto, desfiliado pelos críticos rigorosos em sua cátedra, isso diz pouco da poesia que “em vossa presença emigra”. Dentro da multiplicidade, nos muitos eus do poeta Reinoldo, destaca-se o indagar-se das coisas, como desde os primeiros vates; e logo acrescenta seus dizer das coisas e sentimentos, como se alcançasse um interlocutor capaz de apreender sua expectativa. T. S. Elliot falou em três vozes da poesia: A 1° voz é a do poeta falando para si mesmo; a 2° voz é a do poeta dirigindo-se a um auditório; e a 3° voz é a do poeta quando diz não o que diria falando por si mesmo, mas apenas o que pode dizer dentro dos limites do personagem imaginado. O poeta aceitaria esse enquadramento? Socorramo-nos então de vôos: a armação do pulo infantil; na pré-articulação da fala onde estava o seu sentido. Eis que no antecípio de toda prosa estava a poesia, e a voz é uma ressonância perdida de mistério. No fragmento do seu tratado poético, mais especificamente no “Livro das Ignorãças”, o poeta Manoel de Barros diz que “Poesia é quando a tarde está competente para dálias”. “É quando ao lado de um pardal o dia dorme antes”. Sestra: “Poesia é voar fora da asa”. E arremata: “No descomeço era o verbo. Só depois é que veio o delírio do verbo”. Quem viver verá! Melhor, quem ler poderá conformar a sua sensibilidade e formar a sua ideia; quem sabe, sem juízo. 

Walmor Marcellino   

ISBN: 978-65-80103-97-3

Verão 2020

460 pág.

wws Suporte / Perguntas de pré-venda Preciso de ajuda? Fale conosco via WhatsApp
Quantidade :
SKU: 9786580103973 Categorias: , ,

Reinoldo Atem

Reinoldo, poeta e publicitário aposentado, nasceu no Piauí, radicado em Curitiba, participou e publicou: 4 Poetas – Coletânea (Editora Cooperativa de Escritores, Curitiba 1976), Tempos – Coletânea de poemas (Editora Pindaíba, São Paulo 1978), O Conto da Propaganda – coletânea de contos (Editora Vertente, São Paulo 1979), Assim Escrevem os Paranaenses – Coletânea de contos (Editora Alfa-Ômega, São Paulo 1977), Sala 17 – coletânea poemas – Movimento Sala 17, Curitiba 1978. 1971 – novela (Editora Beija-Flor, Curitiba 1978).

Foi um dos fundadores e editores da revista de jornalismo cultural e literatura Outras Palavras (1978) e da Revista de criação Zéblue (1980)

1 avaliação para Sem Pagar Passagem: Poesia Reunida – Reinoldo Atem

  1. 5 de 5

    Eliane Cristina Bertulio das Neves

    Produto fantastico!!!! Reinoldo Atem e sua poesia absolutamente contemporânea, onde o velho e o novo se eternizam com o conteúdo irreverente de toda sua obra!

Adicionar uma avaliação

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Vendor Information

0 de 5

INVISÍVEL, como evito ser vista e onde prefiro ser e estar – Mariana Nassif

R$ 44,70 R$ 31,29
PRÉ - VENDA - DISPONÍVEL EM SETEMBRO DE 2022   Em obra de estreia, a ser lançada em Maio de 2022 pela Kotter Editorial, escritora pede licença a Exú para falar Mariana costuma dizer que o invisível vem permeando sua existência desde sempre, enquanto havia apenas reticências. Na música composta por seu pai, o jornalista Luis Nassif, para anunciar sua...
0 de 5

Um Silêncio Ondulado – Guilherme Cornelsen

R$ 44,70 R$ 31,29
Alguns poemas, uma prosa. Aliás, um conto. Um conto de certa extensão, algo meio raro nestes tempos velozes de hipermodernidade. Com esse punhado de textos, o autor, Guilherme Cornelsen, pede licença e se apresenta à literatura nacional. E com um discurso onde se percebe a luta que nos acompanha desde que, homo sapiens sapiens, saímos das savanas e começamos a construir esse organismo incompleto e falho a...
0 de 5

RE-TRATOS -Leonardo Augusto dos Santos

R$ 44,70 R$ 31,29
SOBRE ESTE LIVRO Sinto-me privilegiada por ter recebido o convite para ler os dez contos que o autor, Leonardo Augusto denominou RE-TRATOS. Fiquei pensando no título: é um “tratar novamente”? É uma espécie de foto antiga, que brota do inconsciente e se transforma em proposta viável, possível? Só ele poderá responder à pergunta. Ao começar a leitura, percebi que, dentro...
0 de 5

Paisagem Circular – Emerson Cruz

R$ 39,70 R$ 27,79
Criticando os escritores alemães de sua época, Schopenhauer, numa passagem dos  seus Parerga e paralipomena, afirma o seguinte: “deve-se usar palavras comuns e dizer coisas  incomuns, mas eles fazem o inverso”. Claro que é uma frase de efeito e, como tal, deve ser  vista com ressalva – como algo que pode conter sua dose de verdade, mas que jamais serve  como regra universal. Lembro aqui, por exemplo,...
0 de 5

A Actriz A Actriz (O Palco do Esquecimento e do Vazio) – Luís Serguilha

R$ 254,70 R$ 178,29
Estamos perante um animal pan-barroco, anorgânico que captura, compõe e desfaz o seu corpo dentro do impensável ritornélico e das travessias paradoxais: há uma escoadura de tragicidades sígnicas, há uma ACTRIZ que se arremessa para a imanência acontecimental, molecular, experimentando o caos polifónico, as voltagens do aformal, os traços criativos do vazio, a crueldade topológica, as dobras feiticeiras, o entre-tempo...
0 de 5

Cursivo Menor – António Vera

R$ 74,70 R$ 52,29
António Vera [José] António Vera [de Azevedo] nasceu em Lisboa, na freguesia das Mercês, a 22 de junho de 1923, e faleceu na mesma cidade a 26 de dezembro de 2012. Trabalhou desde muito novo: empregado no comércio, em seguros, na Contabilidade Pública e, de 1958 a 1987, nos serviços da Emigração como representante do governo português para os assuntos...
Carregando...
WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de suporte ao cliente está aqui para responder às suas perguntas. Pergunte-nos qualquer coisa!
👋 Oi em que posso ajudar?