Cart

Best Seller

NAVIOS CARGUEIROS – Marcos de Andrade Filho

5.00 out of 5 based on 1 customer rating
1 classificação Adicione sua classificação
Disponibilidade: Em estoque

R$ 19,85

wws Suporte / Perguntas de pré-venda Preciso de ajuda? Fale conosco via WhatsApp
Quantidade :

__________________

CALMARIA E TORMENTA 

Calmaria e tormenta. São estas as experiências que vivenciamos ao embarcarmos nos Navios Cargueiros de Marcos de Andrade Filho. Com total domínio do leme e das coordenadas gramaticais, o poeta navega na contracorrente e nos mostra que os sinais de pontuação vêm para nos libertar, para nos trazer possibilidades de fazer com que a língua corra solta sobre as águas da leitura, da escrita, da poesia. As vírgulas e a libertinagem estética funcionam como ventos que criam figuras nas nuvens situadas no sentido oposto das ondas formadas e deformadas também pelo vento, a fim de gerar movimentos e impulsionar o navio carregado de versos livres, flutuantes, rodopiantes e transbordantes em meio a uma enfermidade, nos fazendo refletir não sobre uma vida inteira que poderia ter sido, mas que é. 

 Sim. Marcos de Andrade é Filho do simbolsurrealmodernconcret e de vários outros -ismos que deram à luz um poeta cuja impressão digital é deixada em cada página através de sinais (tipo)gráficos e de sentimentos (des)encontrados em um eu lírico posicionado na proa, no convés e na popa de um navio que ora parece estar à deriva, ora indica aproximar-se do porto, porém nunca ancora. 

 Iaranda Barbosa 

Professora do Departamento de Letras da UFPE 

___________

FENDA TEMPORAL

…foi um susto de sinapses e um contêiner no convés. Entre março e abril de 2017, eu estava numa sala de aula, conversando com meus alunos sobre a obra de Graciliano Ramos. Em meio àquela que deveria ser mais uma aula de semeadura do prazer pela palavra feita Verbo, minha língua pesou. Sala de jaula. Os alunos notaram. Enjaulado. Temi ser algo gravíssimo. Recitei mentalmente alguns versos que sabia de cor em segundos de fração: Pessoa, Bandeira, Drummond, Cabral… Tão monossilábico quanto os personagens silentes do romance sobre o qual falava, silenciei. Silenciei, mas, por dentro, grunhia como um cão que leva um tiro…

; a visão embaçou. Impressões tive de Siegfried e Odara, sol nascente no porto: Wagner e Caetano seguidos de um zumbido. Ferrão de abelha no tímpano. Beethoven no Rio São Francisco. Falas de Riobaldo me diziam que era para fazer a travessia tortuosa do ser, tão grande como o rio. Senti um frio augusto na espinha. Precisei concluir a aula minutos antes do fim. Travessia? Só a da rua, onde o diabo está, para permanecer metade de um mês internado no Real Hospital Português do Recife…

; exames buscavam um possível sinal de epilepsia. Vi telas de renascenças. Vanitas. Éramos eu e o livro do Eclesiastes de mim mesmo. A junta de neurologistas do Hospital veio saber pela milésima vez o que eu havia experienciado. Eu lhes disse: “Machado de Assis num banco de praça sem Carolina, doutores. É como se eu fosse navio cargueiro atracado no Porto do Tânger e a mão psicodélica dos beatnicks me põe no convés do cérebro um contêiner imenso de delírio. Nada começa novo, doutores; o princípio é vírgula ou são reticências de Deus…”. Era claro que o vento havia destravado algo. Eu, trabalhador que virava carvão todo dia em nome do Verbo poético, sentia meu crânio deformar enquanto, no planalto, deformavam meu direito de queimar como bom carvão. Minha pátria, golpeada na cabeça, convulsionava comigo. Cabeça de Estêvão: corpo de pedra. Cabeça de Joana: corpo flamígero.

; era, agora, um navio cargueiro adernando no cais. E meu bisavô não estava na estiva e nada poderia fazer, pois não eram os tempos do lendário Rosendo da Gravata no Porto do Recife. Meu corpo se musificava em meio aos rugidos dos habitantes de meu cérebro. Leões… Nações inteiras…

; os médicos voltaram dias depois para me dizer que era uma epilepsia focal inespecífica e me deram alta…

…………………………………………………………………………………………………….

…era tarde: praticamente todo este livro já havia sido escrito em dez dias naquela cama. Enfermidades… Infimidades… Era uma poesia convulsa; necessária, sabe? Letras e signos colapsados em imagens e libera-sons de áurea e tremores de carne: intimidades…

Marcos de Andrade Filho

Porto do Recife, 02 de fevereiro de 2021

______________

 

ISBN: 9786589624622

TOTAL DE PÁGINAS: 152

FORMATO: 15X21 cm

wws Suporte / Perguntas de pré-venda Preciso de ajuda? Fale conosco via WhatsApp
Quantidade :
SKU: 9786589624622 Categorias: , , , ,

Marcos de Andrade Filho é o nome literário de Marcos Antonio Soares de Andrade Filho (Recife, 1982), professor, libretista, poeta, tradutor e crítico literário. Estudou Letras na UFPE e na UnB e Direito na UFPE. É membro da União Brasileira de Escritores (UBE), da qual já foi Diretor e Vice-Presidente. É membro de instituições Literárias no Distrito Federal e em Pernambuco. 

Recebeu o Prêmio Edmir Domingues da Academia Pernambucana de Letras por “SPOLLIVM”, em 2011, como melhor livro inédito de poemas daquele ano e o Prêmio Maura de Sena Pereira da UBE-RJ por “Fome Antiga”, em 2017. Recebeu do Rotary Club International o Título Paul Harris Fellow. No gênero poema, é autor de “Não Lugar” (Ed. Bagaço, 2005); “SPOLLIVM” (EdUFPE, 2012), “Fome Antiga” (Liceu, 2017) e “Reminiscências de um Legado” (Amazon, 2020). Em 2005, ano de sua estreia, teve vários de seus poemas divulgados na cena pernambucana por iniciativa da escritora vencedora do Prêmio Jabuti, Cida Pedrosa. Restaurou e traduziu para a Academia de Ópera e Repertório da UFPE, sob a orientação do Maestro Wendell Kettle (UFPE), libretos raros e inéditos, a partir das partituras manuscritas originais salvaguardadas no Instituto Ricardo Brennand, dentre os quais “A Princesa do Catete” e “As donzelas d’honor ou O duende da noute”, ambas do pernambucano Carneiro Vilela, e “Il Maledetto”, do italiano Fulvio Fulgonio, todos estes libretti destinados às óperas do compositor pernambucano Euclides Fonseca, sendo de Marcos de Andrade Filho a primeira versão deste último para a Língua Portuguesa; ainda como libretista, escreveu dramas operísticos baseados em clássicos da literatura brasileira.

“Navios Cargueiros” é seu quarto livro de poemas escrito, mas o quinto a ser publicado. Além disso, mais uma obra poética, alguns contos e dois romances já se encontram em fase de organização, sendo um destes últimos dedicado ao resgate da memória de seu bisavô, o poeta popular e militante operário Rosendo Francisco da Silva, conhecido como “Rosendo da Gravata”, figura antológica das lutas políticas da Frente do Recife. Produziu livros didáticos de Literatura Brasileira para editoras e sistemas de ensino da rede privada de Educação do Recife. Nos últimos anos, tem atuado ativamente na produção e revisão de materiais destinados a plataformas de Ensino a Distância. 

Principais Obras Publicadas:  

Dimensões15 × 21 cm

1 avaliação para NAVIOS CARGUEIROS – Marcos de Andrade Filho

  1. 5 de 5

    Eti

    Um dos maiores poetas de pernambuco e do Brasil. Recomendadíssimo, pela densidade, profundidade, refinamento irônico, experimentalismo de linguagem e a destreza ao negociar tradição e inovação em poesia!

    • Raul

      Grande poeta mesmo! Obrigado por seu comentário, Eti!

Adicionar uma avaliação

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may also like…

0 de 5

Uma Alegria Difícil – Natasha Tinet

R$ 19,85
Uma alegria difícil é um livro sobre encontros. Sobre a potência de se encontrar em outras existências, tempos e mundos. Sobre tocar a distância com palavras e silêncios. Dividido em cinco capítulos, é uma obra que busca companhia em um momento de isolamento. Em Encontros, capítulo que inicia o livro, há encontros literários e artísticos, esbarrões muitas vezes inusitados: Mrs. Dalloway face a...
0 de 5

Nhe’enga a More Quixotesco – Danilo Costa-Cobra Leite

R$ 22,45
Esta “novela” de D. da Costa-Cobra Leite joga o leitor, desde o título plurilíngue, num universo que só se pode definir como plural. Aliás, “definir” é palavra provavelmente inadequada para a experiência a que o texto convida, apostando na quebra de expectativas relacionadas com gêneros, registros e técnicas narrativas. Contando um episódio singelo, acontecido numa cidade posta na fronteira, mas cujos topônimos desenham um grande painel...
0 de 5

27 episódios diante do espelho – Daniel Osiecki

R$ 22,35
Falta temporária   Se em fellis assistimos ao confronto do poeta com a forma de sua própria poesia e em Morre como em um vórtice de sombra sua luta exasperada ocorre contra um inimigo demasiadamente íntimo, seu reflexo romântico e de verve suicida, agora, nestes 27 episódios diante do espelho, Daniel Osiecki encerra a sua trilogia amarga com um mergulho no tempo, vinculando o seu combate poético ao mal estar intempestivo da história.  Flertando outra vez com os...
0 de 5

DOIS – Vander Vieira

R$ 19,85
SINOPSE:    “Dois” é um livro para os outros. Não há literatura que se mantenha de pé apenas para um: é necessário o dois, o segundo, o outro. Sem olhos, ouvidos e corações bem abertos e dispostos, a poesia – natimorta – naufraga. Jean-Paul Sartre afirma que são os olhos do leitor que completam o trabalho do escritor. Sérgio Sampaio diz que um livro de...
0 de 5

Entre o Sol e o Soar da Meia-Noite – Alex Lubasa

R$ 19,85
  SINOPSE Entre o Sol e o Soar da Meia-Noite é um livro de poemas que se aprofunda no drama humano e constrói camadas filosóficas, nos versos de seus poemas, sobre o estar no mundo. O poeta inicia a jornada misturando as brincadeiras da infância com dúvidas sobre a finitude. Esbarra nos dogmas religiosos sempre em conflito dentro de uma guerra moral,...
Carregando...
WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de suporte ao cliente está aqui para responder às suas perguntas. Pergunte-nos qualquer coisa!
👋 Oi em que posso ajudar?