Search

O abandono da educação do campo no Brasil: pistas para uma educação matemática descolonial – Alberto Luiz Pereira da Costa

 

Três palavras sintetizam este trabalho: matemática, filosofia e poesia.  

O que era para ser uma investigação sobre a licenciatura da educação do campo com habilitação em matemática, tratada com base na educação popular, tornou-se um estudo de relativa abrangência quando a complexidade da proposta exigiu que o autor adentrasse as veredas históricas da educação no Brasil.  

A constante busca por dados e fatos que dessem conta de percorrer, com uma visada crítica, os meandros históricos e filosóficos do ensino no Brasil, das escolas jesuíticas às atuais escolas do campo, norteou a trajetória de Alberto Luiz Pereira da Costa por diversas veredas epistemológicas que, de início, pareciam inconciliáveis, mas que, ao fim e ao cabo, acabaram convergindo para a comprovação das hipóteses e para o estabelecimento de algumas respostas às inquietações que se impuseram ao longo da pesquisa. 

Aliando espírito crítico e sensibilidade poética, o autor visitou poetas e filósofos como Pessoa e Drummond, Benjamin e Foucault, para tratar de questões que relacionam educação, ensino da matemática, história, política e resistência – resistência, aliás, por suas múltiplas faces. Por um lado, resistência ao cumprimento do estágio supervisionado em matemática, o que o autor atribui, em parte, não à simples apatia da comunidade universitária, mas também à forte vinculação do plano de estágio analisado a práticas educacionais não condizentes com a realidade do público-alvo: o aluno do campo. Por outro, resistência política e ideológica à implantação do curso de Licenciatura em Educação do Campo na instituição federal investigada; e esta se sobressaiu como uma das maiores preocupações do autor deste trabalho. Foram os referidos entraves políticos-ideológicos e as inquietações relacionadas que impulsionaram a busca, nos quatro capítulos que compõem este trabalho, dos porquês por trás das estatísticas e das contradições do sistema educacional brasileiro. 

Causou espanto ao autor de O Abandono da Educação do Campo no Brasil: pistas para uma educação matemática descolonial o fato de existirem ainda algumas escolas, inclusive nas zonas rurais e nas periferias do Brasil, que adotam grades de ferro para manter os alunos no interior dos estabelecimentos, à semelhança das escolas do século XVIII, as quais, segundo Foucault (2007), ordenavam os alunos por “classe” e “fileiras” para mantê-los sob os “olhares do mestre”. Ao seguir os rastros dessas práticas, deparou-se, ainda nos tempos da casa grande, com meninos sisudos e de ar tristonho, com cabelos bem penteados, vestidos de preto e de colarinho duro; meninos que aos sete anos já sabiam de cor os nomes das capitais europeias, as quatro operações, declinar em latim e recitar em francês: “uns homenzinhos à força”, no dizer de Gilberto Freyre, ao que, mais tarde, teria reagido jocosamente Darcy Ribeiro: “Civilização nos trópicos não dá!”   

***

O abandono da educação do campo no Brasil: pistas para uma educação matemática descolonial – Alberto Luiz Pereira da Costa

16×23

ISBN: 978-65-5361-179-5

216 páginas

 

R$ 69,70 R$ 34,85

Alberto Luiz Pereira da Costa nasceu no extremo sul, região de Parelheiros periferia de
São Paulo em 1977. Integrou o circuito cultural desde a adolescência, participando de
diversos movimentos culturais de rua e de Casa de Cultura na zona sul de São Paulo/SP
nos anos 90. Graduou-se em Licenciatura em Matemática na Faculdade de Ciências e
Tecnologia da Universidade Estadual Paulista, UNESP – Campus de Presidente
Prudente, em 2005. Possui experiência como professor em Escolas Públicas Estaduais
na capital e no interior de São Paulo (2000 – 2008). Em 2008, cursou o Mestrado em
Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática (2008 – 2010) na Universidade
Estadual de Maringá, com atuação no desenvolvimento de projetos de investigação e
extensão universitária na temática: Tecnologias digitais, educação e sociedade. Ao
longo desta atuação com publicações críticas e reflexivas acerca do ensino a distância e
aprendizagem de Matemática, incluindo a educação popular e a extensão universitária.
Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação pela FCT/UNESP, na linha de
pesquisa Processos Formativos e Ensino e Aprendizagem, investigando a Educação do
Campo e as questões sociais e a contextualização histórica da matemática e educação do
campo. Atualmente, desenvolve o Pós-Doutoramento na Faculdade de Economia da
Universidade do Algarve em Portugal; é Professor Adjunto Doutor do curso de
Licenciatura em Educação do Campo na Universidade Federal do Triângulo Mineiro –
Campus de Uberaba/MG, trabalhando com ensino, pesquisa e extensão. Coordena o
Programa de Extensão Universitária “Interfaces entre Artes, Ciências & Matemática”,
Projeto Usinagem no Ar: a voz das interfaces (Podcast) e o Projeto UNAARTE –
Universidade Aberta ao Artesanato, Artesã e Artesão. Linhas de pesquisa: intervenções
comunitárias na cidade e no campo; educação popular; etnomatemática; arte e cultura.