Cart

Movimentos populares reivindicam continuação do Auxílio Emergencial de R$ 600 Um dos temas decisivos deste ano e, certamente, de 2021 – 14 de outubro de 2020

por Pedro Carrano

 

Movimentos populares como o Movimento dos Trabalhadores/as por Direitos (MTD), MST, Consulta Popular e campanha Periferia Viva reivindicam pressão sobre Rodrigo Maia e sobre o governo federal para manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 e R$ 1200 no caso de mulher mãe de família.

O auxílio é voltado a trabalhadores informais, desempregados, autônomos e microempreendedores, alcançou 29,4 milhões de lares brasileiros (43%), de acordo com o IBGE, com cinco parcelas inicias de R$ 600 e de R$ 1200 no caso de mulheres mães de família.

A organização Consulta Popular publicou em seu Twitter:

“Com os elevados preços dos alimentos no supermercado, do gás e de outros itens básicos, garantir o sustento familiar com o auxílio emergencial de R$ 600 já era um desafio. Com R$300 haverá aumento da pobreza #600ContraFome

O programa emergencial, que o presidente Bolsonaro queria que fosse inicialmente R$200, mas o Congresso aprovou no valor de R$ 600, alcançou mais de 65 milhões de pessoas a partir do enraizamento de um banco público eficiente, a Caixa Econômica Federal.

“Bolsonaro ataca as famílias. Governo muda a regra e agora as famílias só terão direito a 2 cotas. Ou seja, a escolha será cruel: garante a mulher chefe de família ou um membro da família. Vai aumentar o sofrimento do povo. #600ContraFome”, afirma a Consulta Popular em seu Twitter.

 

Pedro Carrano nasceu em São Paulo (SP), em 1980. Jornalista, militante político e pai da Clara. Tem livros de reportagem e poesia. “Meninos sem Matilha” é seu segundo volume de contos. 

Imagem, Fonte: Folha de Pernambuco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carregando...
WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de suporte ao cliente está aqui para responder às suas perguntas. Pergunte-nos qualquer coisa!
👋 Oi em que posso ajudar?